Quinta-feira, 12 de Fevereiro de 2004

Violência doméstica

en_espanol_03b.gif



 Os números são assustadores.


 


Violência dentro de casa 

A violência doméstica é uma violência de género. Em 95% dos casos, a violência é exercida pelos homens contra as suas namoradas, mulheres ou companheiras. No entanto, é possível observar violência exercida por mulheres, nomeadamente entre casais homossexuais.


Os comportamentos violentos e o abuso de poder de uma pessoa sobre outra, no sentido de a controlar, caracterizam a violência doméstica que, por sua vez, assume muitas formas e pode acontecer esporadicamente ou constantemente. Ao longo do tempo, tem tendência a intensificar a frequência da gravidade.


Apesar de cada situação ter a sua especificidade, há sinais de alarme que podem ser identificados. Conhecê-los é um passo importante para prevenir e parar a violência contra as mulheres.


Exemplos de estratégias do agressor:



  • Minimização de sentimentos e culpabilização
  • Insultos, humilhações e intimidações
  • Isolamento da família e amigos
  • Controlo económico
  • Ameaças e agressões físicas
  • Agressões sexuais e violação

Se você é vítima de algumas destas formas de violência ou se conhece quem o seja, então saiba que:



  • A violência doméstica é um crime punido pela Lei
  • A violência doméstica é uma violação grave dos Direitos Fundamentais, incluindo o direito à sua integridade física e moral
  • As crianças têm direito a uma família não violenta

Ninguém merece ser, em privado ou em público, qualquer que seja a razão agredido, ameaçado, humilhado ou de alguma forma sujeito a maus tratos físicos ou emocionais.


Grupos de Ajuda Mútua


Este é um dos vários serviços especializados da Associação de Mulheres Contra a Violência. Trata-se de espaços de partilha de experiências de vida, de criação de laços de solidariedade e de relações de confiança, que visam, através da informação e da troca de opiniões, restabelecer a auto-estima, fortalecer a capacidade de tomar decisões e de adquirir autonomia.


Objectivo:


Destina-se a apoiar mulheres que, por terem sofrido violência dos maridos, namorados ou companheiros, partilham a mesma situação de vida:



  • Precisam de compreender o que lhes aconteceu
  • Necessitam de aconselhamento jurídico
  • Perderam o emprego
  • Tiveram de fugir de casa
  • Sentem que têm muitos problemas para resolver e poucas forças para isso
  • Precisam de apoio especializado para os filhos
  • Têm de recorrer a muitos tratamentos médicos e urgências

No grupo da AMCV, as mulheres trazem experiências e deste modo:



  • Sentem que alguém as compreende
  • Recebem apoio emocional
  • Partilham informação útil sobre recursos e serviços
  • Procuram resolver dificuldades práticas através de sugestões concretas
  • Sentem-se apoiadas nas suas decisões
  • Põem em prática projectos pessoais

Funcionamento:


O grupo de ajuda mútua da AMCV reúne uma vez por semana, em dia e horário fixos e a participação é voluntária.


À medida que se vão sentindo progressivamente mais informadas, confiantes e seguras para definirem os seus projectos e objectivos pessoais, as mulheres podem utilizar outros serviços especializados, que estão disponíveis nesta associação ou em outras instituições da comunidade, através do Acompanhamento Individual.


Fonte:



Contacto:

Alameda D. Afonso Henriques, 78-1º Esq.
1000-125 Lisboa
Tel. 21 386 67 22 / Fax 21 386 67 23
amcvportugal@hotmail.com


 

publicado por xanubina às 01:10
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.posts recentes

. Se...

. Manutenção

. Somos um país de provinci...

. É urgente aprender a apre...

. A PT está a roubar-me des...

. Prato do dia...

. Parabéns!!

. Para sempre...

. Margaridas...pra vocês!

. É hoje!!!

.arquivos

. Janeiro 2006

. Outubro 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds