Quarta-feira, 4 de Fevereiro de 2004

Celas de isolamento

Durante mais de 20 anos vivi no campo...num monte alentejano onde acordava com os pássaros que escolheram umas das árvores junto à janela do meu quarto, para sua morada habitual.
Eram bonitos, pretos e vermelhos...mas nunca soube que pássaros eram...nem isso me pareceu importante.
Era revigorante levantar-me abrir a porta e olhar ao longe...ver terras de Espanha do outro lado do rio...ouvir o silêncio apenas interrompido pelo ladrar de um cão...ou o chilrear dos pássaros.
Um dia um amigo que passou o fim de semana connosco e que reside habitualmente nos Açores muito perto do mar...disse-me algo que me fez impressão:
-Esta noite não consegui dormir por causa do silêncio.
Explicou então que em casa adormece com o som do mar em fundo e que o silêncio que encontrou no Alentejo...era algo que o impedia de dormir.
Estranho? Talvez mas compreensível.
Depois de 20 anos no campo, vejo-me de repente num prédio de 9 andares, vivendo no 8º tendo que andar de elevador para cima e para baixo...encontrando pessoas que nem sei em que andar e porta vivem...e o quer mais me chocou foi o episódio que aconteceu comigo um dia logo pela manhã.
Abro a porta ao mesmo tempo que um dos meus vizinhos de andar (éramos quatro)...e qual não é o meu espanto quando vejo essa pessoa...recuar e fechar a porta rapidamente só para não ter que descer comigo no elevador.
Já tinha reparado que era uma pessoa que nunca dizia bom dia nem boa tarde...que um dia chegámos ao mesmo tempo e ela não quis subir connosco, mas na altura não liguei...quando a vejo fechar a porta como se fosse um bicho do mato só para não partilhar comigo o elevador...fiquei a pensar que aqueles caixotes não são casas...são celas de isolamento.
Se já antes tinha a certeza que queria sair dali...nesse dia tomei a firme resolução de o fazer o mais depressa possível.
Felizmente que consegui. Hoje não tenho elevadores, tenho vizinhos mas são vizinhos que vivem na mesma rua e que me dizem bom dia com a maior das naturalidades.
Tenho pena que as pessoas não consigam continuar a ser "gente"...mesmo quando vivem em caixotes de betão frios e impessoais.


cidade.jpg
publicado por xanubina às 16:33
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Anónimo a 6 de Fevereiro de 2004 às 17:05
Ainda bem que conseguiste sair desse "sítio"!!!
Ainda há bem poucos minutos, no café um amigo meu nos dizia; ainda ontem recebi um convite para ir para Lx. Com condições "assim e assado", como quem diz, bem mais vantajosas, etc.....
Passado poucos minutos, essas condições já estavam todas reduzidas a "zero". E é bem verdade. Apenas, nem todos podemos mudar as coisas quando queremos. Mas nunca é tarde!!!
Bom F. S. e boa sorte.paraquedista
(http://www.paraquedistablog.blogs.sapo.pt)
(mailto:faria.da.silva@sapo.pt)


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.posts recentes

. Se...

. Manutenção

. Somos um país de provinci...

. É urgente aprender a apre...

. A PT está a roubar-me des...

. Prato do dia...

. Parabéns!!

. Para sempre...

. Margaridas...pra vocês!

. É hoje!!!

.arquivos

. Janeiro 2006

. Outubro 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds